Uma descoberta histórica sobre a pirâmide de Quéops!

Durante a missão Scanpyramids, criada pela Universidade do Cairo e pelo instituto HIP, que ocorreu em novembro de 2017 com o objetivo de investigar grandes monumentos de maneira não destrutiva, foi revelada uma descoberta histórica sobre a pirâmide de Quéops no Egito.

Advertisements
Advertisements

De fato, durante essa missão, uma cavidade de mais de 30 metros foi detectada no centro da pirâmide mais famosa do mundo, acima da grande galeria de Quéops. Estaria localizada a quase 60 metros de altura e seria do tamanho de uma grande estrutura de cerca de 30 metros. Esta missão já havia detectado outras 2 cavidades menores em 2016.

A técnica utilizada é a muografia, que possibilita radiografar monumentos usando partículas cósmicas. As cavidades também são “fotografadas” por telescópios instalados no exterior e outras máquinas implantadas dentro da pirâmide.

Após essas descobertas, há alguns anos, os dispositivos implantados evoluíram e as pesquisas avançaram, e é graças às placas de emulsão desenvolvidas pelos japoneses que essa imensa cavidade pode ser detectada.

A cavidade observada por essas placas de emulsão teve que ser confirmada por outras equipes no local. Os telescópios foram, portanto, movidos de modo a serem orientados para essa cavidade. E foi assim que essa imensa cavidade foi, portanto, confirmada em 2017, com indicações sobre seu tamanho e sua posição na pirâmide.

No entanto, surgem perguntas: é um cômodo individual ou vários cômodos adjacentes? A cavidade está inclinada como a grande galeria no centro da pirâmide? E se sim, ela teria a mesma função que a galeria? E qual seria sua função? Muitas perguntas permanecem sem resposta, mas que os pesquisadores estão tentando descobrir à medida que as descobertas aparecem. É ao mesmo tempo uma grande descoberta que esconde muitos outros mistérios.

Advertisements